sábado, 20 de dezembro de 2008

Transições


Deambulação por entre rios e fragas, planaltos e depressões, arquipélagos de cidades em busca dos seus centros, paisagens antigas por vezes renascidas. Sempre seguido pelo odor de árvores a que um belo sol de inverno empresta inesperadas vestes. Espera-me, servido por uma inesperada velha glória do Académico de Viseu, um irónico universo de assemblages de Pomar, sobre o qual a noite urbana caíu rápida, talvez de mais.
Se a lua, deslocada por forças adversas, me não acompanhou no regresso de Coimbra, uma flor botão, espécie de chave minúscula para segredos inviolados, veio, pequena e vermelha, acolher-se à minha mão. Sou agora o seu fiel depositário, enquanto não reaprendo artes de jardinagem.

4 comentários:

Anónimo disse...

Pura escatologia, como diria a sua antiga aluna Isabel X. !
MT

Anónimo disse...

Que coisa tão bonita.

Abraço.

Paulo Prudêncio.

Isabel X disse...

É que eu ando a tentar converter o meu antigo professor!
- Isabel X -

Anónimo disse...

pomar... jardim..... poesia....porto.....e uma profunda sensibilidade solsticial....
NB