sábado, 15 de novembro de 2008

Elogio das cidades

Gostei de ouvir Carlos Magno na sessão de Viseu-Congrega de ontem de manhã. Trouxe a debate reflexões sobre a agenda mediática que julga desajustada do país e dos seus problemas (para quem acompanhe as suas intervenções nos dois programas em que participa na Antena Um, alguns dos seus juízos críticos não constituirão novidade). E propôs que a discussão da regionalização deixasse de vez o tema estafado dos distritos versus departamentos para se centrar nas cidades. Chamou em seu auxílio Florida e os seus 3 Ts (Talento, Tecnologia e Tolerância), a que acrescentou um 4º (T de Território).
Tem razão Carlos Magno. Distritos e somas de distritos são conceitos pensados para um país que com as autoestradas e a internet deixou de existir. As cidades são os protagonistas mais importantes das transformações dos territórios das últimas duas décadas. Sem um cuidadoso diagnóstico das dinâmicas urbanas, não há hoje planeamento social e económico regional consistente nem acção política eficaz. 
Esta linha de trabalho, que foi lançada nos finais da década de 80 por, entre outros, João Ferrão, em torno do conceito de "cidades médias" merece ser retomada e actualizada. E o contributo da "teoria" das cidades criativas não é evidentemente aqui impertinente.

6 comentários:

Manuela Gama Vieira disse...

E incutir essa ideia nos "donos" dos "quintais"?
Enquanto a mentalidade for esta, não há Ts que nos valham.

Anónimo disse...

Discordo da anterior comentadora. Estou convencida de que há não apenas novos temas, mas sobretudo novas sensibilidades até dos autarcas ao desenvolvimento baseado na criatividade. Alguém hoje se preocupa mesmo com a "regionalização"?
MT

Manuela Gama Vieira disse...

Realmente acho que o tema "regionalização" caiu mas, em minha opinião, porque saiu de cena.
Se o debate fosse retomado não sei se a questão seria tão pacífica.
Oxalá eu estivesse enganada!

Anónimo disse...

Se o debate fosse retomado sê-lo-ia pelos políticos, e portanto objecto de disputa entre governo e oposições. Concordo com o que, segundo o João Serra, Carlos Magno disse em Viseu: a agenda mediático-política é artificial (e artificiosa).
MT

Manuela Gama Vieira disse...

Ora aí está!As discussões protagonizadas pelos políticos,governo/oposição, pelo que os cidadãos, onde estão?Os autarcas representam-nos?
Mais não digo.

João Ramos Franco disse...

Penso que o João Sera ao colocar-nos o assunto do modo que passo a citar, está a ser bastante coerente com a a realidade que se nos apresenta.
"As cidades são os protagonistas mais importantes das transformações dos territórios das últimas duas décadas. Sem um cuidadoso diagnóstico das dinâmicas urbanas, não há hoje planeamento social e económico regional consistente nem acção política eficaz."
João Ramos Franco