quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A democracia com o bébé ao colo

Jean-Paul Fitoussi recorda hoje no Le Monde a alegoria de Schumpeter, referindo-se à acção do Estado Democrático em situação de crise do capitalismo. Na iminência de paralização das funções vitais, o capitalismo é submetido a uma "tenda de oxigénio".
Recorda Fitoussi o tempo de Reagan e Thatcher que desmantelaram a "tenda", criando condições para que a lei bancária se impusesse à lei do mercado. O resultado foi uma mentira global, a "promessa de que seria possível dar a ganhar a todos mais do que  a média dos lucros" (de facto, "uma impossibilidade aritmética").
E agora? Como a "tenda de oxigénio" foi destruída, o capitalismo deu entrada na "sala de reanimação". 
Mais uma vez é a Democracia, com a sua "tendência para se ocupar de tudo" que se apresta a abrir a porta, equipar a sala e garantir o funcionamento. É realmente uma jovem, conclui Fitoussi. Tem o síndroma do "bébé ao colo". 

2 comentários:

Submarino Amarelo disse...

Se desta crise não sair o primado da política e da discussão ideológica, o regresso do confronto ideológico entre os diversos modelos de construção de uma forma mais justa de organização social, teremos pago os desmandos dos vigaristas em vão.
Será isto possível sem que a "arrogância tecnocrática" da direita nem a "superioridade moral" da esquerda impeçam este debate e esta reflexão/? Ou estaremos ainda dependentes da dimensão do desastre neo-liberal?

Joao B. Serra disse...

Uma boa pergunta para a qual não há (ainda?) uma boa resposta.
Fitoussi, neste texto de hoje, explicando com a sua clareza habitual quais as leis de que as instituições financeiras se "esqueceram", observa que a singularidade desta crise assenta no facto de ser a primeira crise de compreensão do sistema por parte de um sector que foi e continua a ser o maior consumidor de inteligência das nossas sociedades.
Ou seja, não estão criadas as condições para um debate que todavia nao pode ser adiado.