segunda-feira, 2 de março de 2009

O sedutor seduzido com dolo

Hera de alvos braços congeminou um plano para seduzir Zeus. Obteve a colaboração de Sono Irmão da Morte, prometendo-lhe como esposa Pasítea, uma das jovens três Graças. Dirigiu-se então a Gárgaro, píncaro do alto Ida, onde se encontrava Zeus que comanda as nuvens. Hera conhecia bem Zeus, já fora em tempos seduzida pelo Crónida terribilíssimo. Zeus, Assim que a viu, o amor envolveu-lhe o espírito robusto, tal como quando primeiro fizeram amor, deitados na cama às ocultas dos seus progenitores. E pediu a Hera que acedesse ao seu desejo.

A ele deu resposta a excelsa Hera, congeminando um dolo:
"Crónida terribilíssimo, que palavra foste tu dizer!
Se o que tu queres é agora deitar-te em amor
nos píncaros do Ida, isso estaria à vista de todos!
Como seria de um dos deuses que são para sempre
nos visse a dormir e depois fosse contar a todos os deuses?
Pela minha parte já não poderia regressar à tua casa,
depois de me levantar do leito, pois isso seria uma vergonha.
Mas se é essa a tua vontade e se é agradável ao teu coração,
tens um tálamo, que te construiu o teu próprio filho,
Hefesto, tendo ajustado às ombreiras portas robustas.
Vamos então deitar-nos lá, visto que o leito é o teu desejo."

A ela deu resposta Zeus que comanda as nuvens:
"Hera, não receies que algum deus ou homem
observe o acto, tal é a nuvem dourada com que
te esconderei. Nem o próprio Sol nos descortinaria,
embora nenhuma luz veja mais agudamente que a dele."

Falou; e nos seus braços tomou a esposa o filho de Crono.
Debaixo deles a terra divina fez crescer relva fresca,
a flor de lótus orvalhada e açafrão a jacintos macios
em profusão, que os mantiveram acima do solo.
Foi neste leito que se deitaram, ocultando-se numa nuvem
bela e dourada, a qual destilava gotas reluzentes.
Deste modo adormeceu tranquilo o Pai no píncaro de Gárgaro,
subjugado pelo sono e pelo amor, com a esposa nos braços.

Porém o Sono suave correu até às naus dos Aqueus
para dar a notícia aos deus que segura e sacode a terra.
Postando-se junto dele proferiu palavras apetrechadas de asas:
"Com afinco agora aos Dânaos, ó Posídon, presta auxílio!
Outorga-lhes a glória, exígua embora seja a sua duração,
enquanto dorme Zeus, já que o cobri com o sono macio:
pois Hera o seduziu para com ele se deitar em amor".

Homero, Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. Lisboa, 291-292.Edições Cotovia, 2005. p. 

3 comentários:

Isabel X disse...

O que vale são "palavras apetrechadas com asas",como estas, e a sua eloquente grandeza, para nos sentirmos redimidos da nossa pouquidão. Há sempre um preço a pagar pelo Amor ou alguém que contra Ele conspira? Neste caso, Sono, irmão de Hera. Já Camões nos diz: "Transforma-se o amador na cousa amada". Aqui é "O sedutor seduzido com dolo". Parece-me justo!
Há uma verdade profunda que só os mitos contêm e podem transmitir. Também foi Fernando Pesoa quem disse que o "mito é o nada que é tudo".
- Isabel X -

Margarida Araújo disse...

Coisa bonita esta de "se deitar em amor".
Coisas de deuses e de homens.

PSimões disse...

A Erudição e o Ecletismo "doqueeuandei " deixam-me sempre a sensação entre o deslumbramento e o fascínio de outras formas de viver e pensar....é um prazer poder ir recebendo lições e sensações de Pessoas que Pensam e Sabem do Mundo, muito para álém, desta coisa árida e com pouca graça de ser gestor(fraco), nestes tempos de mudança de paradigma!

Obrigado, Professor João Serra pelas pistas que me vai dando....