sexta-feira, 6 de março de 2009

À janela

Matisse, Fenêtre bleue, 1913.

2 comentários:

Isabel X disse...

Que surpresa boa encontrar uma janela aberta sobre árvores azuis, como são as árvores nos sonhos e na poesia. Poder respirar as cores e a luz, quando lá fora o sol teima em se esconder e o cinzento é a cor dominante.
- Isabel X -

Anónimo disse...

Segundo Henri Matisse «As cores têm uma beleza própria que devemos preservar...é uma questão de organização,de encontrar a construção em que a cor conserva beleza e frescura.» A COR está para Matisse como a FORMA está para Picasso. RP