quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Neo-neo-liberalismo

Escreve Alain Touraine, num livro recentemente editado: "Numa crise, como num furacão, as intenções e os objectivos das personagens nela implicadas contam pouco". É verdade. Mas também é verdade que não saem de cena. Continuamos a vê-los teimar nas suas convicções - desmentidas pela realidade das coisas - , a preconizar soluções, como se não tivessem sido eles os responsáveis pelo fracasso ignominioso do neo-liberalismo que impuseram como futuro. Querem que continuemos e tomar o remédio que, se não nos empurrou ainda para a cova, nos deixou bem perto dela.

2 comentários:

Méon, disse...

É isto que nos revolta! Os cegos continuam a guiar a manada!

E subsiste o drama de uma esquerda que não consegue fazer passar a mensagem...

Cláudia da Silva Tomazi - Brasil disse...

Neon
Deveria ser cinza esta aurora?
Cerca-te, arrastando grandes cometas.
Deveria ser cômico, teu entristecido riso.
Deveria ser puro, esse gesto mundano de louvor à vida.
No entanto, permaneces calado.
Enquanto os cometas no amanhecer,
louvam tua vida.
Arrastada nesta fuligem,
amargando um amor virginal.